sábado, 12 de agosto de 2017

BERNDT LINDHOLM

BERNDT LINDHOLM - Marinha - Óleo sobre tela - 61 x 83

BERNDT LINDHOLM - Vida na vila
Óleo sobre tela - 46 x 67 - 1884

BERNDT LINDHOLM - Arrebentação - Óleo sobre tela - 45 x 64

A referência clássica para o estudo de paisagens, no século XIX, era a Alemanha, especialmente a Escola de Dusseldorf. Praticamente quase todos os artistas das escolas nórdicas europeias se formaram por lá. Berndt Lindholm também começou seus estudos por lá, mas, depois de uma viagem à França, apaixonou-se completamente pela abordagem paisagística dos franceses e tornou-se assim, o primeiro artista nórdico a migrar das referências alemãs para as referências francesas. Condenado por muitos contemporâneos seus por isso, é hoje reverenciado exatamente por essa sua audácia. Ser precursor em qualquer manifestação artística tem seus riscos.

BERNDT LINDHOLM - Descansando na natureza
Óleo sobre tela colada em painel - 68 x 104 - 1869

BERNDT LINDHOLM - Embarcação no horizonte
Óleo sobre tela - 30 x 69,5 - 1891

BERNDT LINDHOLM - Praia - Óleo sobre tela

Berndt Lindholm nasceu na cidade finlandesa de Loviisa, a 20 de agosto de 1841. Era o segundo filho dos cinco que teriam o casal Otto Berndt Lindholm e Betty Edberg. O pai era formado em direito e tornou-se juiz deputado distrital e magistrado, na cidade de Loviisa. Com 13 anos de idade, Berndt começou a estudar desenho com Johan Knutson, em Porvoo. Na primavera de 1856, a família se mudou para Turku, onde ele continuou os estudos de desenho com RW Ekman, numa escola da cidade. Ele gostava das aulas e se dedicava ao que aprendia, mas ainda não havia pensado a sério a carreira de artista. Foi uma exposição do paisagista Werner Holmberg, na Sociedade de Belas Artes de Turku, no verão de 1859, que o influenciou bastante na decisão de seguir a carreira mais seriamente.

BERNDT LINDHOLM - Vacas em pastagem - Óleo sobre tela - 32 x 53 - 1880

BERNDT LINDHOLM - No cais
Óleo sobre tela - 44,5 x 33,5 - 1886

BERNDT LINDHOLM - Veleiro na costa - Óleo sobre cartão - 27 x 45

Sua primeira viagem fora do país se deu no verão de 1862, o mesmo ano que formaria bacharel. Tinha como objetivo principal, visitar Copenhague, na Dinamarca, mas também esteve em Gotemburgo, onde conheceu Lina Bohle, que mais tarde se tornaria sua esposa. Com a morte do pai, em 1861, sua mãe retornou para Loviisa. No ano seguinte, o mesmo que se tornaria bacharel, ele foi morar em Helsinque, onde exercitou com várias releituras de paisagens de Werner Holmberg. Ele começou a estudar numa universidade local, mas sob a insistência de Magnus von Wright e Fredrik Cygnaeus, acabou indo para Dusseldorf, no outono de 1863.

BERNDT LINDHOLM - Marinha - Óleo sobre tela - 45 x 55

BERNDT LINDHOLM - Paisagem em Bohuslän
Óleo sobre tela - 37 x 54

BERNDT LINDHOLM - Vista costeira - Óleo sobre tela - 40 x 61 - 1879

Houve um certo desapontamento na chegada de Lindholm em Dusseldorf porque Hans Gude, um respeitado professor indicado por Holmberg, não lecionava mais por ali. Oswald Achenbach era o novo professor de paisagens e tinha uma atração muito grande pelos motivos ensolarados da Itália. Embora fosse uma referência inquestionável, Lindholm gostaria de alguém que tivesse uma influência maior à abordagem de paisagens nórdicas, sua região. Já em agosto de 1864, ele partiu para os arredores de Munique, para desenhar e pintar ao ar livre, com o companheiro e mestre Philip Röth, cujos estudos feitos em plein air ele admirava bastante. Ele já não frequentava a academia com assiduidade e dava preferência pelas aulas noturnas.

BERNDT LINDHOLM - Barcos numa paisagem de verão - Óleo sobre tela - 37 x 59 - 1901

BERNDT LINDHOLM
Paisagem da Finlândia com cavaleiros
Óleo sobre tela - 76 x 121 - 1866

BERNDT LINDHOLM - Verão no Arquipélago Itä-Uusimaa - Óleo sobre tela - 73 x 96 - 1891

O ano de 1865 traria boas surpresas para Lindholm. Ele finalmente conseguiria um ano letivo com Hans Gude. Seu novo mestre estava numa fase mais realista e bastante envolvido com cenas litorâneas. Gude acabou se tornando o mestre mais importante de Lindholm, e não é de estranhar sua influência para os mesmos temas do aluno. Nos dois anos seguintes, Lindholm moraria na Finlândia, onde dividiu um estúdio com Munsterhjelm em Helsinque. Eles se davam bem e chegaram a fazer uma mostra conjunta na universidade da cidade.

BERNDT LINDHOLM - Montmartre, Paris - Óleo sobre tela - 32,7 x 46,6 - 1875

BERNDT LINDHOLM - Cena de arquipélago
Óleo sobre tela - 51 x 87 - 1888

BERNDT LINDHOLM - Vista de Ladoga - Óleo sobre tela - 57 x 67,5 - 1878

No ano de 1867, ele participou da Exposição Mundial de Paris, período que entraria em contato com as obras dos artistas daquele país. Era tudo muito novo e diferente naqueles novos contatos e Lindholm ficou encantado com a abordagem técnica e temática de Daubigny. Ele se mudou para a cidade em 1869 e ali ficaria até o verão de 1870, tornando-se um devoto confesso da arte dos franceses, escolha que já lhe rendia alguns contratempos. Emil Nervander o acusava de plagiar mestres antigos, com finalidades comerciais, tudo porque havia deixado a Escola de Dusseldorf. Mas Lindholm não se intimidou. Paris o havia conquistado de vez, e foi ali que aprendeu a ver a natureza de primeira mão. No seu retorno a Helsinque, em 1870, afirmava ser um defensor da Escola de Barbizon e que gostava especialmente de Daubigny e Corot. E também se dizia voltado para a nova vertente que se proclamava impressionista, de onde admirava Manet, Barthold Jongkind e Pisarro.

BERNDT LINDHOLM - Pinheiros na praia - Óleo sobre tela - 19 x 32 - 1883

BERNDT LINDHOLM - Litoral com velas no horizonte
Óleo sobre tela - 30,5 x 52 - 1877

BERNDT LINDHOLM - Praia em Vasterskog - Óleo sobre tela - 39 x 65 - 1883

Uma clara influência do Impressionismo nas obras de Lindholm foram notadas por volta de 1870. A cor e a luz ganharam uma abordagem bem diferenciada dos anteriores trabalhos. Entre os anos de 1870 e 1871, Lindholm passou um período na Finlândia e Suécia, época de auge da Guerra Franco-Prussiana. Ele trabalhou um longo tempo com a produção de gravuras, e fez uma estrutura financeira razoável para se casar em 1872, com Lina Bohle. No ano seguinte, ele voltaria para Paris e ficaria por lá até inícios de 1876, mesmo passando todos os verões na Suécia. Ele já era uma artista valorizado, mas em seu país, ainda era visto como um traidor, influenciado pelo novo estilo francês. Em 1874, num concurso de pintura de paisagem na Finlândia, ele foi derrotado por Hjalmar Munsterhjelm, antigo amigo com quem já até dividira ateliê. A derrota se mostrou como uma declaração de vingança direta dos jurados finlandeses, uma vez que Lindholm quase não ficava no país. Isso o deixou decepcionado com o país e se fixou mais na Suécia. Durante muitos anos, sua amizade com Munsterhjelm ficou abalada.

BERNDT LINDHOLM - Vista de uma praia - Óleo sobre tela - 57 x 93

BERNDT LINDHOLM
Um caminho na floresta
Óleo sobre tela - 128 x 96 - 1883

BERNDT LINDHOLM - Surges - Óleo sobre tela - 35 x 50 - 1898


Em 1878 ele se tornou curador na Galeria de Arte de Gotemburgo, no mesmo ano assumira o cargo de curador da Associação de Arte de Gotemburgo e em 1879 tornaria diretor do Museu de Gotemburgo e da Escola de Desenho daquela instituição. Ocasionalmente passou a expor na Finlândia e até ganhou uma premiação por lá, em 1877. A década de 1870 veria um trabalho de Lindholm mais realista, com influência direta do francês Courbet, com vários trabalhos de rochas do litoral sueco e das costas rochosas perto de Gotemburgo. Mas, o mundo estava todo em mudanças naquele momento, até o Impressionismo já perdia seu espaço para novos movimentos. Jovens de movimentos alternativos de Gotemburgo começaram a perseguir Lindholm e sua arte. Ele se refugiou na Noruega e pintou as montanhas do país. Sua visão se deteriorava drasticamente e a saúde se encontrava abalada, pelos anos exaustivos de pintura ao ar livre nas terras geladas daqueles países nórdicos. Berndt Lindholm faleceu em Gotemburgo, na primavera de 1914, no dia 15 de maio.

BERNDT LINDHOLM - Vista costeira - Óleo sobre tela - 50 x 87 - 1879

6 comentários:

  1. Lindholm é sem dúvida, um mestre... suas paisagens são impressionantes... sou um grande admirador dos seus trabalhos!
    Amigão... felicidades!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E, por incrível que pareça, mais um daqueles artistas que vivem no anonimato, Vidal.
      Obrigado por vir. Tenha um ótimo domingo!

      Excluir
  2. Poucos vi que são capazes de representar as variadas texturas, as luzes e planos como esse paisagista. Parabéns para ele e para ti também da mesma forma por o revelar a nós.
    Agradeço pela partilha.
    Luz e imensa paz.
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Quimas. Um artista excepcional!
      Grande abraço, amigo!

      Excluir
  3. Obrigado José Rosário por nos mostrar este artista maravilhoso! Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço sua vinda, Raiff.
      Um grande abraço!

      Excluir